Skip to main content

Pesquisa inédita elaborada pelo GEduc revela pontos de atenção como saúde mental, uso estratégico da inteligência artificial, guerra do ticket

O Indicador GEduc, levantamento feito com 116 líderes educacionais da educação básica ao ensino superior, mostra que há aspectos que devem ser melhorados na gestão das instituições de ensino brasileiras. A pesquisa é um termômetro do gestor educacional e integra a 22ª edição do Congresso de Gestão Educacional do Brasil (GEduc), promovido pela HUMUS, empresa que realiza capacitações para gestores de universidades e escolas. Entre os destaques estão o melhor uso da Inteligência Artificial (IA), a implementação de uma política estruturada de saúde mental nas organizações e a sobrevivência à guerra do ticket.

Saúde mental chama a atenção

Um dos dados que mais chamam a atenção refere-se à saúde mental. Quando questionados sobre o fato de possuírem uma política estruturada com relação à saúde mental dos professores e dos alunos, 40,2% dos respondentes disseram não a possuir. O assunto tem sido debatido socialmente, mas ainda precisa ser de fato implementado nas escolas. Para se ter uma ideia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde mental é um estado de bem-estar que permite aos indivíduos o desenvolvimento de habilidades pessoais que contribuem para a vida em comunidade.

“Avançamos em entender que saúde mental, competências socioemocionais e projeto de vida estão conectados. Agora, precisamos dar continuidade a esse trabalho”, afirmou o psicoterapeuta Leo Fraiman. Em sua palestra no GEduc, Fraiman pontuou que um trabalho baseado no projeto de vida considera o modo como as competências socioemocionais atuam no desenvolvimento da inteligência emocional e na capacidade de os indivíduos viverem bem consigo e em sociedade, fazendo com que alunos e professores experienciem uma vida com sentido e propósito.

“A escola precisa ser um lugar mais alegre. Eu acredito que o amor é o maior ato de coragem atualmente. Para tal, a sugestão é colocar no coração do aluno que se acredita nele e que ele é amado, de alguma forma. Isso é socioemocional e o Projeto de Vida é um compromisso de ser um guardião da vontade de viver”, disse o psicoterapeuta. A palestra compôs a programação do III Fórum de Habilidades Socioemocionais, que trouxe para o GEduc 2024 um debate consistente sobre a importância do cuidado com a saúde mental dos alunos e educadores.

Inteligência Artificial: também uma pauta prioritária

A Inteligência Artificial (IA) também pode ser considerada uma pauta prioritária da agenda dos gestores. Isso porque 61,5% dos respondentes não têm utilizado a IA de forma direcionada. Outro gargalo que pode ser observado refere-se às parcerias entre organizações da Educação Básica e do Ensino Superior. No caso das Instituições de Ensino Superior (IES), apenas 14,5% têm parceria com escolas de Educação Básica, visando melhores resultados acadêmicos. Já as escolas de Educação Básica estão mais bem direcionadas nesse sentido – 36,8% afirmaram ter parcerias com as IES.

Considerando uma perspectiva mais positiva do cenário, a maioria das instituições (73,5%) têm utilizado dados para ajudar a delinear as ações pedagógicas e curriculares e, além disso, as práticas para a educação especial e inclusiva estão estruturadas para 73,5% delas. Outro número que chama atenção se refere a “guerra do ticket”. A partir dos dados coletados, 45,3% das instituições de ensino demonstraram que se sentem ameaçadas pelo mercado cada vez mais concorrido e concentrado nos grandes grupos que atuam no cenário educacional.

Confira alguns ‘highlights’ do GEduc 2024

Organizado pela HUMUS, o GEduc 2024 reuniu em sua 22ª edição mais de 1.366 congressistas e visitantes, além de 1.600 pessoas presentes durante os três dias de evento. O congresso contou com a presença de 67 empresas expositoras e mais de 80 palestrantes. Grande parte dos participantes era de lideranças do segmento da educação, que refletiram e analisaram sobre as principais dificuldades vividas pelas instituições de ensino básico e superior, propondo soluções para esses problemas.

O GEduc 2024 também sediou a Cerimônia de Premiação do PNGE (Prêmio Nacional de Gestão Educacional), que incentiva boas práticas realizadas pelas instituições educacionais. Na edição de 2024, 18 escolas e IES tiveram suas práticas premiadas após uma criteriosa análise da Comissão Avaliadora. ara a CEO da HUMUS, Sonia Colombo, o GEduc 2024 mostrou as principais dores contemporâneas vividas pelos gestores em suas escolas e universidades.

“Debatemos estratégias para solucionar problemas e aperfeiçoar processos, com vieses pedagógicos, organizacionais, financeiros, tecnológicos e de relacionamento com os alunos/comunidade”, disse Sonia.

Além dos fóruns de discussão com temas variados como gestão de pessoas, ESG e inteligência de dados, o evento também teve mentorias exclusivas para congressistas com ingresso VIP. A 1ª edição do Encontro de Secretários de Educação também foi realizada no evento, com a presença do Fernando Padula Novaes, Secretário Municipal de Educação de São Paulo, entre outros nomes da área.

Leia também:

. https://educador21.com/geduc-2024-parada-obrigatoria-para-lideres-educacionais/

Compartilhe: